[vc_row][vc_column width=”3/4″][vc_custom_heading text=”” font_container=”tag:h3|text_align:left” use_theme_fonts=”yes” el_class=”no_stripe”][stm_post_details][vc_column_text]

Kryptus participa do Exercício Guardião Cibernético 4.0 e apresenta simulador de operações cibernéticas

Evento busca fortalecer a cibersegurança no Brasil 

Como parte da estratégia nacional de segurança cibernética no país, o Ministério da Defesa do Brasil promoveu o Exercício Guardião Cibernético 4.0 (EGC 4.0) de 16 a 19 de agosto. O EGC 4.0  foi  coordenado pelo Comando de Defesa Cibernética (ComDCiber), sendo o maior treinamento de defesa cibernética do Hemisfério Sul. A Kryptus, empresa com foco em criptografia e proteção de dados, participou pela terceira vez consecutiva do evento, contribuindo para o fortalecimento das atividades de cibersegurança das Forças Armadas do Brasil.

O evento é marcado, como o nome já diz, por diferentes exercícios com Problemas Cibernéticos Simulados (PCS) e, a tarefa incubida à Kryptus foi a simulação virtual de ataques cibernéticos. Para essa atividade, utilizou-se a plataforma CDEX Cyber Range, ferramenta que possibilita a simulação de  redes corporativas de diferentes complexidades.

exercicio guardiao cibernetico

Representantes das FA em exercício

“Em um primeiro momento, as equipes de  Blue Team  – equipes de defesa –  representavam, em seus respectivos grupos, os  setores de infraestruturas críticas, energia, água, transporte, nuclear  e defesa, protegendo, blindando e configurando de maneira robusta todos esses sistemas.” comenta Rafael Cividanes, Diretor de Cibersegurança na Kryptus. “Em outro momento, a equipe de Red Team – equipe de ataque – pôde tentar subverter cada uma dessas infraestruturas, verificando se elas estavam adequadas e devidamente protegidas”. Observa Rafael Cividanes.

exercicio guardiao cibernetico

Representantes das FA em exercício

“Caso houvesse falhas na proteção dessas redes, a equipe de Blue Team, responsável por determinada infraestrutura, era sinalizada e avaliada de acordo com o comportamento ou solução aplicada”, explica o diretor. 

Totalizando, nos dois dias de Simulação Virtual, foram realizados quatro cenários diferentes, para cada tipo de infraestrutura, possibilitando avaliações e correções ao final de cada simulação. 

Outras instituições que estavam participando do evento também puderam conhecer a ferramenta Cyber Range em detalhes. “As empresas que estão atentas à importância desse tipo de exercício, através de uma ferramenta, poderão aplicá-lo em seu negócio. Fortalecer o conhecimento da equipe e observar como estão reagindo diante de uma ameaça cibernética é fundamental no atual cenário mundial.” conclui Cividanes.[/vc_column_text][stm_post_tags][/vc_column][vc_column width=”1/4″ offset=”vc_col-sm-offset-0 vc_hidden-sm vc_hidden-xs”][stm_sidebar sidebar=”9341″][vc_empty_space height=”80px”][/vc_column][vc_column width=”3/4″][vc_column_text]

LEIA OUTROS CONTEÚDOS RELACIONADOS

[/vc_column_text][vc_empty_space][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_column_text]A GC e o enfrentamento dos desafios para o desenvolvimento tecnológico nas Forças Armadas[/vc_column_text][/vc_column][vc_column width=”1/12″][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_column_text]Kryptus participa do Exercício Guardião Cibernético 3.0[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]